Imprimir

UNIFICAR AS LUTAS E DERROTAR O AJUSTE FISCAL: TODO APOIO A LUTA DOS TRABALHADORES DO COMPERJ

Escrito por Imprensa. Publicado em Uncategorised

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

“Se a guerra for declarada em pleno Carnaval

Verás que um filho teu não foge a luta 

Brasil, recruta teu pessoal. “ Chico Buarque

 

O carnaval se aproxima e as ruas do país estão sendo tomadas não só pela folia, mas também pela indignação frente aos ataques do governo à classe trabalhadora. A reação ao ajuste fiscal de Dilma já se dá nas ruas de norte a sul do Brasil.

Em janeiro, os metalúrgicos da Volkswagem, por meio de greve, derrotaram a tentativa da patronal de demitir centenas de trabalhadores. Um exemplo que deve ser seguido e dar o tom das lutas que seguirão durante 2015.

Brasil a fora, explodem lutas por salário (greve dos rodoviários no Espírito Santo, greve de escrivães da Polícia no Mato Grosso), melhores condições de trabalho (paralisações dos trabalhadores da empresa Forte em Ananindeua), moradia (Ocupação Nova Canaã, Belém-PA), dentre outros.

No Paraná, por meio da mobilização, 100 mil trabalhadores da educação derrotaram o “Pacotaço” do governo corrupto de Beto Richa (PSDB) que determinava alterações na Previdência estadual e cortes de benefícios do funcionalismo público. Os servidores paralisaram 100% das escolas estaduais e ocuparam a Assembleia Legislativa do Estado durante três dias, a fim de evitar a votação do pacotaço. O governador teve de recuar evidenciando mais uma vez que a única saída contra o ajuste fiscal é a luta e a organização dos trabalhadores e da juventude.

No Rio de Janeiro, os trabalhadores terceirizados do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) também estão em greve, pois cerca de 2,5 mil funcionários não receberam todo o 13º e os salários de dezembro e janeiro, e 469 foram desligados de seus trabalhos. Na quarta-feira, os trabalhadores marcharam de Niterói à sede da Petrobrás no Rio de Janeiro e prometem parar mais uma vez a cidade durante o carnaval, caso não tenham sua pauta atendida.

Enquanto bilhões escorreram pela vala da corrupção para o bolso das empreiteiras e de políticos, a empresa estatal deixa trabalhadores sem salários e submetidos a condições precárias de trabalho, como as que levaram ao acidente no navio-plataforma no litoral do Espírito Santo que deixou pelo menos 3 mortos e vários trabalhadores feridos.  

O Sintsep-Pa se solidariza e apoia essas lutas por acreditar que só a mobilização dos trabalhadores e da juventude será capaz de derrotar a política de ajuste fiscal que visa encher o bolso dos empresários e transferis para a classe trabalhadora a conta da crise econômica.

No dia 25 de fevereiro, juntamente com o Fórum estadual de Lutas estaremos nas ruas lançando a campanha salarial de 2015 e denunciando o ajuste fiscal de Dilma. 2015 será o ano em que os servidores públicos federais arrancarão – na marra, se preciso for –  27,3% de aumento salarial sobre o vencimento base. Vamos à luta!