Noticias

Imprimir

A greve da Fasubra nos mostra o caminho para derrotar Temer e suas reformas

Ligado . Publicado em Notícias

 

Desde 10 de novembro os técnicos administrativos das universidades federais estão em greve contra os ataques de Temer sobre funcionalismo público. A lista de maldades é longa e vai desde a aprovação  da EC 95, que congelou investimentos públicos pelos próximos 20 anos; a MP 805 que concretizou o congelamento de salários dos servidores.

Em 39 universidades os técnicos paralisaram suas atividades, e em 10 votaram estado de greve, em todo o país, mostrando o caminho pra derrotar as reformas: a luta. Diversas categorias como professores do RS, químicos, metalúrgicos, servidores estaduais e movimentos sociais tem protagonizado diversas lutas e greves.  É preciso canalizar todas essa lutas para parar o Brasil no dia 05/12; É preciso também fortalecer a greve da Fasubra rumo a uma greve unificada de todo o funcionalismo público.  A CONDSEF e demais entidades nacionais precisam convocar imediatamente essa greve se somando aos heroicos lutadores

Cinco mil protestam em Brasília. Sintsep-Pa Presente!

Convocados pelo FONASEFE e FONACATE, cerca de cinco mil servidores, com 63 sindicatos da categoria participaram da Marcha contra a Reforma da Previdência em Brasília no ultimo dia 28. Protagonizado pelos trabalhadores em greve da universidade, o movimento ocupou o MPOG no dia 27/11 e conseguiu arrancar uma rodada de negociação com o Ministério nas próximas semanas.

No dia seguinte a marcha de servidores percorreu a esplanada dos ministérios. Pressionado, o presidente da Câmara, Rodrigo Mais, concordou receber uma comissão de servidores que expuseram seu repúdio à Reforma da Previdência e a MP 805. Na reunião ficou clara a linha do governo de aprovar a reforma a qualquer custo, tanto que o próprio Rodrigo Maia admitiu que só irá colocar a PEC em votação quando tiverem a certeza de sua aprovação.

Esquenta para a greve Geral

A Marcha a Brasília foi uma importante demonstração de força do movimento sindical e do funcionalismo público, cujo próximo passo será construir a greve geral do dia 05/12. É preciso fazer dessa greve um movimento nacional capaz de derrotar a Reforma da Previdência e o governo Temer e também impedir qualquer tentativa de desmonte por parte das direções das centrais sindicais.