Imprimir

A greve da Fasubra nos mostra o caminho para derrotar Temer e suas reformas

Escrito por Imprensa. Publicado em Notícias

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

 

Desde 10 de novembro os técnicos administrativos das universidades federais estão em greve contra os ataques de Temer sobre funcionalismo público. A lista de maldades é longa e vai desde a aprovação  da EC 95, que congelou investimentos públicos pelos próximos 20 anos; a MP 805 que concretizou o congelamento de salários dos servidores.

Em 39 universidades os técnicos paralisaram suas atividades, e em 10 votaram estado de greve, em todo o país, mostrando o caminho pra derrotar as reformas: a luta. Diversas categorias como professores do RS, químicos, metalúrgicos, servidores estaduais e movimentos sociais tem protagonizado diversas lutas e greves.  É preciso canalizar todas essa lutas para parar o Brasil no dia 05/12; É preciso também fortalecer a greve da Fasubra rumo a uma greve unificada de todo o funcionalismo público.  A CONDSEF e demais entidades nacionais precisam convocar imediatamente essa greve se somando aos heroicos lutadores

Cinco mil protestam em Brasília. Sintsep-Pa Presente!

Convocados pelo FONASEFE e FONACATE, cerca de cinco mil servidores, com 63 sindicatos da categoria participaram da Marcha contra a Reforma da Previdência em Brasília no ultimo dia 28. Protagonizado pelos trabalhadores em greve da universidade, o movimento ocupou o MPOG no dia 27/11 e conseguiu arrancar uma rodada de negociação com o Ministério nas próximas semanas.

No dia seguinte a marcha de servidores percorreu a esplanada dos ministérios. Pressionado, o presidente da Câmara, Rodrigo Mais, concordou receber uma comissão de servidores que expuseram seu repúdio à Reforma da Previdência e a MP 805. Na reunião ficou clara a linha do governo de aprovar a reforma a qualquer custo, tanto que o próprio Rodrigo Maia admitiu que só irá colocar a PEC em votação quando tiverem a certeza de sua aprovação.

Esquenta para a greve Geral

A Marcha a Brasília foi uma importante demonstração de força do movimento sindical e do funcionalismo público, cujo próximo passo será construir a greve geral do dia 05/12. É preciso fazer dessa greve um movimento nacional capaz de derrotar a Reforma da Previdência e o governo Temer e também impedir qualquer tentativa de desmonte por parte das direções das centrais sindicais.